Ajorpeme e Fampesc protestam contra reajuste aos ministros do STF

A Ajorpeme e a Fampesc manifestam sua profunda discordância com o reajuste de 16,38% concedido pelo Supremo Tribunal Federal aos seus ministros, no momento em que a economia brasileira enfrenta grave crise econômica. São mais de 13 milhões de pessoas desempregadas, dívida pública próxima aos 80% do Produto Interno Bruto (PIB) – que cresceu insignificante 1% em 2017 – e déficit fiscal previsto para 2018 de aproximadamente R$ 160 bilhões.

Este aumento, em um percentual muito superior aos índices oficiais de inflação, acarretará um efeito cascata nas contas de Estados e Município, pois muitos salários públicos estão atrelados aos dos ministros do STF.

Um aumento neste patamar vai na contramão dos princípios da moralidade e da eficiência da administração pública, já que não há qualquer contrapartida dos agentes beneficiados pelo reajuste, em especial, o aumento da produtividade.

Mais uma vez, interesses de determinado segmento da administração pública são sobrepostos aos da sociedade civil, bem como das micro e pequenas empresas nacionais.