Inclusão Social para cidadãos surdos é debate no Núcleo Gestão e Pessoas

A inclusão da pessoa surda no mercado formal de trabalho é uma preocupação que vem adquirindo espaço na sociedade. O Núcleo de Gestão e Pessoas promoveu na manhã desta terça-feira, 21, uma Coroa do Saber com as lideranças presentes e a voluntária intérprete, Evelin Malu, para conhecer esta realidade e tirar dúvidas sobre o tema.

Segundo Evelin, a maior dificuldade encontrada pelos surdos é a de comunicação e informação, uma vez que isso dificulta e até mesmo impossibilita a manifestação ou o recebimento de mensagens dos diferentes meios de comunicação. “Joinville tem uma comunidade de 23 mil surdos e é importante voltar a atenção de inclusão social desta comunidade e fazer com que se cumpra tudo que está na constituição”, ressalta Evelin.

A presidente do Núcleo, Mari Batista finaliza o debate ressaltando que sensibilizar, conscientizar e analisar a realidade como um todo faz a diferença para que a inclusão realmente aconteça.

Saiba mais:

A LIBRAS foi reconhecida através da lei 10.436/02, e é uma das forma mais usual dos surdos se comunicarem, além da leitura labial e outras. De acordo com essa lei, a LIBRAS é um sistema linguístico legitimo e natural, utilizado pela comunidade surda brasileira, de modalidade gestual visual e com estrutura gramatical independente da língua portuguesa falada no Brasil. A LIBRAS possibilita o desenvolvimento linguístico, social e intelectual daquele que a utiliza enquanto comunicação, favorecendo seu acesso ao conhecimento cultural científico, bem como a integração do grupo social ao qual pertence.