Núcleo de Segurança lança campanha de incentivo ao registro de B.O.

Registrar um boletim de ocorrência é assegurar-se de uma série de transtornos futuros, bem como colaborar para as investigações e segurança de uma determinada área, delatando suspeitos, evitando assim, que novos crimes aconteçam.

O Boletim de Ocorrência (B.O.) é um documento oficial utilizado pelos órgãos das Polícias Civil, Federal e Militar, além dos Bombeiros e da Guarda Municipal, para fazer o registro da notícia do crime.

O Núcleo de Segurança da Ajorpeme inicia uma campanha na cidade falando da importância do registro do Boletim de Ocorrência. É com base nesses registros que o governo investe em segurança pública.

Segundo o presidente do Núcleo, Rodrigo Tilp, das 8 empresas que participam do Núcleo de Segurança, de janeiro/17 a outubro/17, foram mais de 500 ocorrências em clientes onde certamente não houve registro do B.O., ou seja, a polícia acaba não tendo conhecimento do que ocorreu na maioria dos casos de clientes de monitoramento destas empresas, que tem seus negócios e residências arrombadas.

O Núcleo de Segurança espera que os associados da Ajorpeme passem a criar a cultura de primeiramente registrar o B.O. caso ocorra algum crime relacionado ao patrimônio em seu negócio ou até em sua residência. A partir daí, a ideia que esse associado dissemine essa cultura no seu círculo de convívio, seja pessoal ou profissional.

Como fazer um B.O. Online
Graças à tecnologia e à internet, hoje, os cidadãos não precisam mais enfrentar filas e se deslocar até a delegacia mais próxima para registrar seu Boletim de Ocorrência. Através da Delegacia Eletrônica é possível registrar o B.O. de um computador ou até mesmo do celular, na hora em que for mais conveniente para a vítima.

Alguns B.O.s podem ser registrados online no site www.delegaciaeletronica.sc.gov.br

Pelo site é possível fazer ocorrências sobre desaparecimento de pessoa; roubo/furto de veículo; ameaça; roubos em que não haja danos e/ou vítima de lesão corporal e morte; furto ou perda de documentos; furto ou perda de celular; furto ou perda de placa de veículo; encontro de pessoa desaparecida; injúria, calúnia ou difamação; e casos de acidente de trânsito sem vítima.

Para realizar seu Boletim será necessário um endereço de e-mail, caso contrário não é possível conclui-lo. Muitas pessoas têm a impressão de que só porque é feito pela internet, o Boletim de Ocorrência tem menos valor. Isso é um equívoco, uma vez que as declarações são dadas como verdadeiras o declarante assume essa responsabilidade. Trata-se de um documento oficial, emitido pela Polícia Civil do Estado de São Paulo e também assinado por uma Autoridade Policial.

B.O. na Delegacia
As pessoas devem procurar a delegacia da Polícia Civil de seu bairro ou região, e registrar o B.O. com o máximo de informações possíveis, inclusive fotos dos bens furtados, e do local arrombado. Se houver uma câmera de segurança num local próximo, tentar levar tal imagem na delegacia, pois poderá compor a linha investigativa.

O fato de chegar no imóvel e encontrar o local revirado e arrombado é frustrante, contudo, para que seja possível a realização da perícia, é solicitado pelo IGP (instituto geral de perícias) que o local permaneça intocável, pois dessa forma se aumenta significativamente a chance de se encontrarem impressões digitais dos envolvidos.

Porque fazer um B.O.
Com os registros de B.O. os comandos das polícias conseguem entender qual o tipo de crime, e em qual região eles ocorrem. Dessa forma as ações preventivas (como rondas e abordagens) são definidas e o chamado policiamento ostensivo aparece nas ruas, que é aonde a sociedade em geral vê a ação da polícia.

Por outro lado, a Polícia Civil, que é a responsável por investigar os crimes, consegue identificar os padrões das ocorrências, cruzando perfil dos suspeitos, modo de atuação e assim ajuda a identificar os criminosos. Cabe a justiça julgar e definir a pena para cada envolvido, mas para isso acontecer, tudo começa com o registro do B.O.